Selecione o mês: Junho / 2018

  1. Alta leva novidades para Megaleite
    Fonte:Assessoria de Comunicação

    Empresa apresentará destaques da bateria de leite nacional e importado, além de novidades dos programas Alta Cria, Alta Gestão e Prestação de Serviço

    A Alta, empresa líder mundial em melhoramento genético de bovinos, leva para a Megaleite 2018 seu portfólio completo de produtos e serviços para bovinocultura de leite. A companhia apresentará os destaques da bateria de leite nacional e importado, além de soluções como o colostro em pó bovino e programas que auxiliam na tomada de decisão dos pecuaristas.

    Na seleção dos animais tropicais, haverá a divulgação dos resultados do Programa de Melhoramento Genético da Raça Girolando (PMGG). Neste ano, oito animais da bateria de Leite Nacional participam do Teste de Progênie, sendo eles: Jacuba Fax, Gold Goldwyn, Imperador Baxter, Júpiter FIV, Minister FIV da Prata, Rocky Goldwyn, Franco Feiticeiro e Atual Wildman Thor TE.

    Para as raças europeias, a Megaleite sediará o 2º Circuito Nacional da Raça Holandesa – Etapa Mineira 2018 e o Circuito Nacional da Raça Jersey 2018 - Etapa Megaleite, onde a Alta levará os destaques de sua bateria de leite importado. "Teremos ainda, o lançamento de touros exclusivos durante a feira, que se enquadram em qualquer programa de melhoramento genético da raça Holandesa e Girolando", destaca Fábio Fogaça, Gerente de Produto Leite Importado da Alta.

    No evento a empresa fará condições especiais de comercialização de sêmen para as principais raças produtoras. Além disso, durante o programa Pecuária em Alta, desta quarta-feira (20) a empresa disponibiliza lotes promocionais de animais superiores.

    GERENCIAMENTO

    No evento, a equipe de especialista também leva orientação sobre reprodução de vacas leiteiras. Com o programa, Alta Gestão, os produtores têm a possibilidade de coletar e interpretação de dados zootécnicos, oferecendo conhecimento dos índices reprodutivos de fazendas leiteiras com intuito de melhorar a taxa de prenhez, aumentar a produtividade do rebanho e consequentemente a lucratividade da propriedade.

    Há dois anos em funcionamento o sistema tem colhido excelente resultados. A Fazenda São Bartolomeu, por exemplo, alcançou 35% de taxa de prenhez em 2017 após adoção da tecnologia. "Quando lançamos os dados no programa foi então que percebemos que a taxa de serviço não era a desejada. Depois de dois meses com dados coletados começamos a perceber quais eram a deficiências e como poderíamos melhorar", explica Fernando Lemes Silveira, médico veterinário da fazenda.

    "A tecnologia é simples e rápida, podendo ser instalada em qualquer computador, funcionando offline para cadastro das informações reprodutivas e online para análise e geração de listas, gráficos e relatórios, que são traduzidos em respostas rápidas, oferecendo confiança e precisão na tomada de decisões", explica Tiago Ferreira, Gerente Técnico de Leite da Alta.

    ETAPA DE CRIA

    Outro ponto essencial para o bom desempenho do rebanho são os cuidados com os bezerros. Para isso, a Alta apresenta o colostro em pó bovino, um produto natural com todas as substâncias e os nutrientes necessários para a sobrevivência e o desenvolvimento do bezerro ao nascer.

    Estudos apontam a necessidade mínima de 50 gramas/litro de anticorpos para que o colostro esteja dentro da qualidade necessária. Além disso, é preciso oferecer pelo menos 100 gramas de anticorpos para cada bezerra logo nas primeiras horas pós-parto, para que os animais expressem todo seu potencial genético ao longo da vida.

    "Acontece que o tempo e a quantidade fornecida são dois pontos que conseguimos ter maior controle, porém, a qualidade do colostro produzido irá depender de vários fatores relacionadas a própria vaca. Por isso, após a avaliação, quando um colostro não atinge o mínimo de 22% de valor Brix, podemos complementar adicionando 15 gramas de colostro em pó a cada 1 litro de colostro fresco, para aumentar 1% do valor Brix", explica Rafael Azevedo, Gerente de Produto da Alta.

    Além do colostro em pó, a Alta também desenvolveu o Alta Cria, um programa que realiza acompanhamento de fazendas leiteiras em todo país, coletando dados de índices zootécnicos durante a etapa de cria. O projeto tem por objetivo expor um panorama sobre a produção de leite nos Brasil, levando em consideração os primeiros tratos com bezerros, e apontam soluções de manejo produtivo.

    "Com ele podemos constatar quais são os pontos sensíveis da criação de bezerras do Brasil e onde efetivamente precisamos melhorar. Os dados coletados são comparados com o Padrão de Criação Ouro (Gold Standards), desenvolvido pela Associação de Bezerras e Novilhas de Leite dos Estados Unidos (DCHA), com propósito de avaliar o desempenho das propriedades", explica Azevedo.

    PRESTAÇÃO DE SERVIÇO

    Na feira a empresa também dará suporte aos produtores que desejam replicar genética de touros superiores por meio do Prestação de Serviços. O programa faz a coleta, industrialização e entrega do sêmen de forma rápido e segura, contando com toda a estrutura moderna da Central.

    Para participar, o criador deve entra em contato com a equipe especializada da Central e fazer a reserva de vaga, para posteriormente dar entrada do touro na data agendada. Após período em quarentenário, o reprodutor inicia as coletas. Assim que o Ministério da Agricultura libera as doses para distribuição, a Alta entrega o sêmen ao escritório regional mais próximo da fazenda, e o reprodutor é está liberado para retornar à propriedade.

    Danillo Rodrigues, técnico da Alta, explica que o programa é uma forma rápida e segura de multiplicação do material genético. "Através da plataforma o produtor está assegurado pelo padrão de qualidade internacional, além de ter garantido a genética do melhor reprodutor". Pelo Prestação de Serviço, o pecuarista também consegue otimizar os custos, "contando com a infraestrutura moderna da Central, o rigoroso controle sanitário, e os técnicos altamente capacitados", acrescenta.

    Mais informações em: www.altagenetics.com.br.

    Sobre a Alta Genetics

    A Alta Genetics é líder no mercado de melhoramento genético bovino do mundo. Com matriz localizada em Calgary, no Canadá, atua em mais de 90 países com nove centrais de coleta: Brasil, Estados Unidos, Canadá, Argentina, Holanda e China. Com 20 anos de história no Brasil, a empresa está sediada na cidade de Uberaba/MG, e tem como missão orientar pecuaristas sobre a melhor maneira de usar a genética aliada ao manejo, nutrição, ambiente, gestão e todos os processos para garantir um animal com todo o seu potencial genético. O compromisso da Alta é criar valor, entregar o melhor resultado e construir confiança com seus clientes e parceiros, em busca do desenvolvimento da pecuária. Mais informações no website: http://www.altagenetics.com.br.

    Data: 22/06/2018
  2. Select Sires do Brasil realiza nova importação de reprodutores vivos dos EUA
    Fonte:Assessoria de Comunicação

    Desta vez, além de touros holandeses a importação conta com dois exemplares da raça Jersey

    A Select Sires do Brasil (SSB), empresa dedicada ao melhoramento genético de bovinos de produção, acaba de importar mais cinco touros vivos dos EUA, sendo três da raça Holandesa e dois da raça Jersey. Os animais desembarcaram no Brasil há uma semana e foram levados para a Central Bela Vista, em Botucatu (SP), onde, num prazo de 60 dias, iniciam a produção de sêmen para o mercado brasileiro.

    Segundo Felipe Escobar, gerente de produto da SSB, o que impressiona na bateria de touros importados é a qualidade genética dos animais. “Dos reprodutores da raça holandesa, dois são filhos de 7H13598 PINNACLE. Este touro teve a comercialização de sua genética iniciada apenas no final do ano passado e estamos possibilitando aos produtores brasileiros o acesso a uma genética exclusiva”, destaca. O outro reprodutor importado é filho de 250H12961 DOC, touro da bateria Genervations e que apresenta uma demanda muito grande mundialmente.

    Já a importação dos animais da raça Jersey se dá pela grande ascensão no mercado brasileiro nos últimos anos. A genética importada é oriunda dos touros World Cup e Saint. “É importante ressaltar que a possibilidade de importação dos animais da raça Jersey aconteceu devido a um investimento grande da Select Sires na raça dentro dos EUA, incrementando o seu programa de seleção de touros em mais de 35%”, revela Escobar.

    Pioneira na importação de reprodutores vivos da raça holandesa dos EUA para o Brasil – a primeira vez foi em 2017 -, a SSB vem investindo, cada vez mais, nessa estratégia. “Esta nova operação faz parte da sequência do programa ART Brasil, que implantamos há três anos e desde então vem recebendo grande aceitação no mercado nacional. A novidade desta vez é que, além da genética TOP nos touros holandeses, a empresa investiu na importação de dois reprodutores vivos da raça Jersey para incrementar a bateria e atender amplamente o mercado”, afirma o gerente de produto da SSB.

    ART BRASIL - O programa iniciou em 2015 com a importação de embriões elite, mas já em 2017 atingiu outro patamar com a importação dos Estados Unidos de cinco touros vivos pertencentes à elite da raça holandesa, sendo três filhos de Modesty, touro ícone da raça. “Estamos disponibilizando ao produtor de leite uma grande quantidade de uma genética diferenciada. Todos os animais que chegaram ao Brasil passaram por um rígido critério de seleção que levou em conta as demandas genéticas do produtor brasileiro”, afirma o gerente de produto da Select Sires. Apenas no segundo semestre de 2017, a empresa comercializou mais de 60 mil doses de sêmen da raça Holandesa dos touros importados.

    Data: 21/06/2018
  3. ABS contrata novos touros da Genética Aditiva
    Fonte:Assessoria de Comunicação

    Do plantel do sucesso REM Caldonegro, empresa escolhe três reprodutores para integrar bateria

    A ABS anunciou a contratação de três novos touros da seleção Genética Aditiva, que trabalha na seleção de Nelore há mais de 30 anos. O gerente de produto Corte Zebu da empresa, Gustavo Morales, esteve essa semana na sede da Fazenda para escolher os reprodutores que prometem mexer com o mercado nos próximos meses.

    "Foram contratadas diferentes linhagens: filhos de Armador, REM CaldoNegro e Cabalero. São animais que têm muito a contribuir com a pecuária, principalmente quanto à fertilidade. São todos precoces, identificados entre 14 e 16 meses. Além disso, são superiores para desempenho em ganho de peso, tanto na desmama quanto no sobreano, e em acabamento de carcaça", define o gerente da ABS.

    A contratação faz parte de um trabalho de parceria iniciado pela ABS com a Genética Aditiva há três anos. Gustavo ressalta que desde então o touro contratado REM Caldonegro permanece na liderança dos três principais Sumários do país. "Esses novos reprodutores contratados prometem repetir o sucesso de Caldonegro e contribuir muito com a pecuária nacional", conclui.

    A gerente comercial da seleção, Cynthia Vieira, acompanhou a apartação dos animais e comemorou a avaliação do plantel feita pelo gerente da ABS. "Foi uma difícil escolha, o que mostra que a qualidade da nossa safra está cada vez melhor, com o melhoramento genético se mostrando superior".

    Data: 18/06/2018
  4. Fábrica que vai revolucionar a nutrição animal é inaugurada nos EUA
    Fonte:Assessoria de Comunicação

    Instalação vai produzir óleo de algas marinhas concentrado e reduzir a necessidade da pesca de peixes silvestres nos oceanos.

    A Veramaris, joint venture entre a DSM e a Evonik, que revolucionará a aquicultura com seu óleo ômega-3 sustentável a partir de algas marinhas naturais, celebrou um importante marco na construção de sua nova unidade de produção em Blair, Nebraska (EUA). Na presença do vice-governador do Estado, Mike Foley, da direção da Veramaris e das duas controladoras, foi realizada a cerimônia de inauguração, em 4 de junho de 2018.

    A construção da instalação de US$ 200 milhões está progredindo no prazo e de acordo com o cronograma. Quantidades comerciais de óleo de algas estarão prontas para entrega em meados de 2019. Volumes em escala piloto já estão sendo fornecidos a produtores de rações selecionadas e agricultores para o desenvolvimento do mercado.

    "Nosso óleo de algas é a resposta ao chamado da indústria por uma fonte sustentável de ácidos graxos ômega-3 EPA e DHA. A proveniência conhecida de todas as matérias-primas usadas em nosso processo torna o produto totalmente rastreável", disse o CEO da Veramaris, Karim Kurmaly.

    Até recentemente, os ácidos ômega-3 EPA e DHA adicionados à alimentação animal eram quase exclusivamente de origem marinha. Atualmente, 16 milhões de toneladas de peixes silvestres são capturados nos oceanos para produzir óleo e farinha de peixe. Com a ajuda de algas marinhas naturais, a Veramaris contribui para o fechamento da lacuna oferta-demanda de ômega-3 EPA e DHA, enquanto ajuda a conservar a vida marinha e a biodiversidade nos oceanos.

    Inicialmente, a capacidade de produção anual da planta de Nebraska atenderá aproximadamente 15% da demanda atual de EPA e DHA pela indústria global de aquicultura de salmão. A Veramaris usa açúcar de origem local em seu processo de fermentação. A cepa de algas, Schizochytrium, que é aplicada, tem a vantagem de produzir os ácidos graxos essenciais ômega-3 EPA e DHA e o óleo resultante tem uma concentração superior a 50%.

    O óleo de algas altamente concentrado da Veramaris permitirá, pela primeira vez, que a indústria de nutrição animal acompanhe a crescente demanda por esses dois ácidos graxos ômega-3 essenciais, sem depender do óleo de peixe obtido de estoques de peixes selvagens.

    "A matéria-prima para esta tecnologia disruptiva da Veramaris vem do coração da agricultura americana. O milho de Nebraska ajuda a conservar a vida marinha no oceano. Esta é uma história maravilhosa e desejo à Veramaris tudo de melhor para tornar a aquicultura mais sustentável", disse o vice-governador do Nebraska, Mike Foley.

    Para impulsionar uma mudança positiva na produção de alimentos e no consumo de alimentos, a Veramaris está trabalhando com todos os elos da cadeia de valor, incluindo produtores de rações, agricultores, varejistas e ONGs. Alguns trabalhos pioneiros de colaboração têm permitido que os principais agentes do mercado de aquicultura aumentem a oferta de salmão em dietas totalmente isentas de ingredientes marinhos, utilizando o óleo de algas da Veramaris como um substituto completo do óleo de peixe.

    DSM – Bright Science. Brighter Living.™

    A Royal DSM é uma empresa global baseada na ciência, com atividades nas áreas de saúde, nutrição e materiais. Ao associar suas competências sem igual em Life Sciences e Materials Sciences, a DSM gera prosperidade, progresso ambiental e avanços sociais para criar valor sustentável para todos os envolvidos. A DSM oferece soluções inovadoras que alimentam, protegem e melhoram o desempenho em mercados mundiais como alimentos e suplementos dietéticos, cuidados pessoais, rações, dispositivos médicos, peças automotivas, tintas, componentes elétricos e eletrônicos, proteção da vida, energia alternativa e materiais biológicos. A DSM e suas empresas associadas têm vendas globais de 8,63 bilhões de euros, com mais de 21 mil funcionários. As ações da empresa são negociadas na Euronext Amsterdã. Mais informações estão disponíveis em www.dsm.com/latam.

    Data: 18/06/2018
  5. Maior exposição leiteira atrai estrangeiros interessados na genética bovina do Brasil
    Fonte:Assessoria de Comunicação

    Belo Horizonte sedia mais uma edição da Megaleite 2018 que terá, entre as empresas expositoras, uma das maiores centrais de inseminação do mundo, a Semex

    A procura pela genética bovina leiteira produzida no Brasil vem crescendo a cada ano e deve continuar aquecida em 2018. Nos últimos quatro anos, o Brasil exportou 518.045 doses de sêmen de raças leiteiras, sendo a maior parte para países da América Latina, segundo dados da Associação Brasileira de Inseminação Artificial (Asbia). Neste mês de junho, o País receberá diversas comitivas estrangeiras interessadas em adquirir sêmen e embriões para promover o melhoramento genético dos rebanhos de seus países.

    Vindos da Colômbia, Costa Rica e Panamá, os pecuaristas e profissionais do setor pecuário participarão, a partir do dia 16 de junho, de visitas a fazendas selecionadoras das raças Girolando e Gir Leiteiro que produzem leite em sistemas semi-intensivo e intensivo em Minas Gerais. Eles serão acompanhados pela equipe técnica da central de inseminação Semex Brasil, empresa responsável pela vinda das comitivas. "A demanda por sêmen e embrião dessas duas raças é crescente na América Latina. São países que querem aumentar a produção de leite, com clima semelhante ao nosso, mas que não têm um rebanho de qualidade superior e nem a expertise do Brasil. Como o Girolando é uma raça genuinamente brasileira e que já comprovou ser ideal para a produção de leite em regiões de clima tropical, há um grande interesse na importação de material genético desses bovinos. A raça Gir Leiteiro, que é a base para a formação do Girolando, também está com grande procura", explica Mário Karpinskas, gerente de Exportações do Grupo Semex.

    Depois de visitar fazendas próximas à capital mineira, os estrangeiros seguem para a Exposição Brasileira do Agronegócio do Leite (Megaleite 2018), que acontecerá, de 20 a 23 de junho, no Parque da Gameleira, em Belo Horizonte/MG. O evento terá quase dois mil animais de seis raças leiteiras.  No recinto, a Semex Brasil terá um espaço exclusivo para apresentar as inovações tecnológicas na área de genética bovina ao público. São aguardados mais de 60 mil visitantes ao longo dos quatro dias da Megaleite, incluindo quase 400 estrangeiros. De acordo com o gerente de Produto Leite da Semex Brasil, Christian Milani Resende, a empresa lançou recentemente as versões 2018 de seus dois Catálogos de Touros, tanto das raças importadas quanto das nacionais. "O pecuarista quer investir em genética, mas desde que seja de animais provados ou em teste, pois isso é uma garantia de que realmente está adquirindo uma genética capaz de promover a evolução de seu rebanho. Na raça Girolando, contratamos cinco touros aprovados na prova de Pré-Seleção conduzida pela Associação Brasileira dos Criadores de Girolando, encerrada em maio", diz o gerente de Produto Leite da Semex Brasil.

    Durante a Megaleite, a Semex Brasil ainda participará da premiação "Girolando no Topo", que homenageará os principais vendedores de sêmen da raça em 2017 de várias centrais de inseminação. Considerada a maior exposição da pecuária leiteira, a Megaleite 2018 receberá cerca de 1.700 animais das raças leiteiras Girolando, Gir Leiteiro, Holandês, Pardo-Suíço, Jersey e Guzerá, e sediará a 29ª Exposição Nacional de Girolando, a 10ª Exposição Internacional do Gir Leiteiro, o 2º Circuito Nacional da Raça Holandesa – Etapa Mineira 2018, a XXXIV Exposição Nacional da Raça Pardo-Suíça – 80 Anos da ABCGPS, o Circuito Nacional da Raça Jersey 2018 e a Mostra de Guzerá e Guzolando. Na parte de negócios, o evento terá nove leilões.

    Data: 15/06/2018
 
 

Contato

Endereço: Praça Vicentino Rodrigues da Cunha, 110 – Quadra 11 / Lote 4 - Parque Fernando Costa
Bairro São Benedito / Uberaba-MG
Telefone: (34) 3333-1403
E-mail: asbia@asbia.org.br
Momesso Web Studio